Os benefícios do pilates na gestação

Foto: Divulgação

Dores nas costas, seios inchados e incômodo nas articulações são alguns desconfortos que as gestantes passam a ter durante a gravidez. Segundo dados do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC), apurados pelo Núcleo de Inteligência do jornal Folha de São Paulo, houve um crescimento de 71% do número de gestantes no Brasil nas duas últimas décadas, com idade entre 35 e 39 anos.

Apresentada como uma das soluções atenuantes às dores na gravidez e apoio na melhora da postura para as gestantes, o método Pilates atrai praticantes do mundo todo, estimando atualmente cerca de 15 milhões de adeptos. Contando com o incentivo de celebridades nacionais, a exemplo das atrizes Ísis Valverde, Sheron Menezzes e Thais Carla, a prática do pilates no período da gestação já se consolidou como recomendação médica.

Diante desse cenário, a instrutora da Soull Pilates, Elaine Sales, explica que o método pilates é um programa de atividade física com exercícios seguros e eficazes, podendo ser utilizados durante todo período da gestação.

“Este é um período de muitas mudanças, com adaptações fisiológicas, hormonais e biomecânicas ocorrendo no corpo da mulher a partir da fertilização. Para prevenir as consequências das alterações musculoesqueléticas, é essencial que a mulher prepare seu corpo para essas transformações, iniciando atividades físicas, se possível, antes do início da gravidez, para instruir o corpo a respeito das alterações morfológicas e funcionais que estão por vir”, elucida.

Elaine orienta que o foco principal nas aulas de Pilates na fase gestacional, é proporcionar uma adaptação às mudanças do corpo de forma confortável, permitindo a elasticidade necessária, que aumenta com a remodelação de todo o tecido conjuntivo.

“O treino de músculos essenciais para estabilidade postural e fortalecimento dos músculos do assoalho pélvico, sem sobrecarga para coluna e pelve, ajudam a diminuir as alterações posturais que podem causar dor lombar e disfunções do assoalho pélvico, como a incontinência urinária por exemplo”, instrui.

Ainda segundo Elaine, o pilates aprimora a resistência nos músculos estabilizadores da coluna, além de proporcionar atividades de força, flexibilidade e alongamento, que auxiliam no desenvolvimento biomecânico adequado. “O amadurecimento da consciência corporal, que possibilita melhor percepção do corpo com o passar dos meses, a melhoria na respiração e na circulação sanguínea também são outros benefícios da prática”, complementa Elaine.

De acordo com a instrutora, existem cuidados específicos que precisam ser levados em consideração, devido a divisão do período gestacional. No primeiro trimestre da gravidez, as atividades físicas devem ter intensidade leve, enquanto que no segundo trimestre podem ser mais intensas, permitindo maior estabilidade lombo-pélvica e evitando dores relacionados à gestação.

“No último trimestre entretanto, o organismo começa a secretar um hormônio chamado relaxina, que aumenta a flexibilidade dos ligamentos do corpo, com o objetivo de adaptar o quadril da mulher para a passagem do bebê. Sendo assim, não é mais indicado exercícios de flexibilidade e alongamento, apenas atividades que visam à preparação da mãe para o parto, seja natural ou cesariana”, conclui.

Para mais informações e agendar sua sessão de pilates, acesse a página instagram.com/soullpilates.

PUBLICIDADE