Em entrevista, adolescente que recebeu ofensas racistas de PM relembra o que aconteceu

Foto: Victor Silveira / TV Bahia

Dois dias após ser agredido e receber comentários racistas de um policial militar por causa do seu cabelo, o adolescente morador do bairro de Paripe, subúrbio de Salvador, contou com detalhes tudo o que aconteceu.

A abordagem violenta foi filmada pelos moradores do local e disseminada nas redes sociais. Com o caso em análise, a situação do policial envolvido ainda não foi definida. A Corregedoria Geral da PM vai apurar o vídeo.

Foto: Reprodução

Em entrevista ao portal G1, a vítima conta que tudo começou quando foi levar a amiga de sua namorada no ponto de ônibus depois de voltarem da praia. “Ficou tarde, e aí fui levar a amiga de minha namorada no ponto. Chegou lá, demorou muito de passar ônibus, e meu colega me chamou para dormir na casa dele. Aí foi todo mundo para a casa dele, e chegando lá, um menino, colega meu, me parou com um carro e ficou na pista. Veio a viatura, e aí [os policiais] perguntaram o que estava acontecendo. A gente falou que não aconteceu nada e que a gente só estava conversando, aí ele foi e fez a abordagem”.

Sobre a abordagem, o jovem descreveu como o policial agiu. “Ele deu um chute na perna do meu colega, para ele abrir a perna. Eu falei que eu era trabalhador, aí ele foi e fez isso. “[Disse] Que eu era vagabundo, ladrão, com aquele cabelo ali, que eu não era trabalhador não”.

A mãe do adolescente disse que não conseguiu ver o vídeo e que espera que a justiça seja feita. “Eu espero a justiça, porque nossos jovens, adolescentes, não podem passar por uma agressão como essa, apanhar assim no meio da rua”.

A PM e o governador da Bahia se pronunciaram sobre o caso dizendo que não compactuam com o comportamento do policial. A corporação disse ainda que o vídeo será enviado para a Corregedoria Geral da PM para ser apurado.

PUBLICIDADE